terça-feira, 12 de maio de 2009

Minha História Partes 15 e 16


PARTE 15 – A FORMATURA: O GRANDE DIA

Nesse dia todos vieram pra formatura. Mamãe amou conhecer o Cláudio, eu fiquei até surpreso e ela agradeceu-lhe muito e o papai também. O clima era muito agradável. Apresentei o Breno pra mamãe e ela também o abraçou, o beijou e disse-lhe: obrigado por amar meu filho. E o Breno chorou, pela primeira vez eu vi o Breno chorar. Eu dei-lhe um beijo no rosto ali mesmo.
E passado algum tempo todos se prepararam para ir à festa. E tudo foi lindo. Ninguém consegue imaginar como foi.
Já era mais de uma da manhã e meu irmão me disse: Jason, como pode tanta mulher bonita aqui e você sozinho? E eu disse: é, e tanto homem bonito também e eu sozinho. Eu to sempre sozinho meu irmão, sempre sozinho. Mas nunca rolou nada com as mulheres? Elas nunca deram em cima de você? Perguntou Pedro. Já Pedro, já. Eu já fiquei algumas vezes. Mas falta química... sei lá. E começou uma música linda. Eu sou apaixonado com essa música ( LOVE IS ALL AROUND – WET WET WET )(Veja em: http://www.youtube.com/watch?v=TQQ6SfPZggw) E essa se tornaria pra sempre a música de minha vida. E nesse momento algo totalmente inesperado aconteceu. A Ana Eliza se aproximou e me chamou pra dançar. Tudo que eu queria era dançar com o Breno mas... fui com ela. Achei que Breno ficou com muito ciúmes, e ele confessara depois...mas nunca que a gente poderia dançar juntos ali, não ali.
Ali dançando, passou um filme em minha cabeça. Eliza é linda, parece uma sereia com seus olhos azuis bem brilhantes. Ela susurrou em meu ouvido: tudo bem! Tudo bem, eu sei! Mas eu te amo assim mesmo, esperei tanto tempo pra te dizer isso. E eu gelei. Mas nesse momento colei minha testa à dela e sua mão na minha, eu trouxe pra junto de meu peito. Meu coração estava disparado. E lágrimas brotaram em meus olhos. Eu não tenho culpa. O que posso fazer? Você sabe, mas entende? E ela disse: você esta sempre sozinho amor...Eu te vejo todos os dias... eu sinto seu coração... Você pode mudar a sua história...
Nessa hora eu pensei que talvez ela estivesse certa e que provavelmente eu seria mais feliz se namorasse uma mulher...mas a música acabou. E eu disse a ela que depois a gente voltaria a conversar e ela me disse eu vou esperar ( o resto da história com Eliza vai estar no livro).
E eu fiz uma loucura, que me deu na cabeça ali naquela hora. Eu olhei o papai sentado numa cadeira, abatido. Meu coração doeu. Ele passou quase toda a festa sentado. Eu fui até o DJ e pedi pra repetir a música que havia tocado a poucos minutos, ele relutou. Era a música que eu havia dançado com Eliza. Até que apontei pra papai e disse é pra ele, ele está doente, muito mesmo e eu quero dançar com ele. Ao repetir a música eu levantei o papai e o abracei e dancei com ele ali bem apertadinho. Ele quase não se mexia, acho que mais de vergonha de que por qualquer outra coisa. Mas ele chorou, na verdade choramos juntos (lágrimas inesquecíveis).

E ele me disse perdão meu filho. E eu: perdão papai... porque?
___ Por ter sido tão ausente em sua vida.
___Oh papai. Não diga isso... quando a música acabou o DJ ainda ensaiou algumas palavras que geraram alguns aplausos e lágrimas em meu pai e em mim. E pouco depois fomos embora...

PARTE 16 – A DOENÇA DE PAPAI

Quinze dias depois eu fui em casa, como já fazia sempre nas sextas-feiras a tarde. Papai surpreendemente me pareceu muito bem. Conversamos, contamos estórias e relembramos fatos no sábado pela manhã. Na parte da tarde papai foi deitar e ai conversei com mamãe.
___ Ele me parece tão bem mamãe. Ele tem se tratado melhor?
___ É meu filho, nesses dias ele tem estado melhor e falado muito em você.
___ Mas o que ele tem mamãe?
___É câncer Jason, é câncer. E não há muito o que fazer...
Eu chorei muito, meu mundo ruiu... mamãe me abraçou e chorou comigo... A partir dali meu mundo ganhou outra cor...
Já era quase cinco da tarde, eu estava sentado na frente da rua, na calçada. E lá veio papai, olhei pra ele, e ele parecia muito bem. Se aproximou e sentou-se perto de mim e conversamos.
___ Meu filho, ele disse. Espero mesmo que esteja e seja muito feliz. Eu me orgulho do homem que você é.
___ Oh papai! Eu nem sei o que dizer. E eu me orgulho de tê-lo como meu pai.
___ Mas sabe filho, você precisa de alguém na vida, não pode ficar sozinho. Na festa seu amigo me disse que você vive sempre sozinho.
___ Eu sei papai. Mas ainda estou novo. Acabei de me formar agora. Agora sim eu vou pensar nisso com mais seriedade. E conversamos mais um bom tempo...
E o tempo passou...
Parte 17 a continuar...

2 comentários:

Luis Fabiano disse...

Oi Jason, td bem? Pois é, eu dei uma sumida por conta de trabalho, mas fiquei feliz com a sua presença no meu blog. E, claro, amar é divino, sim. Aqueles que conseguirem amar já terão experimentado um pouco da eternidade. Poxa, essa frase ficou bonita rs. Abração!

alex e! disse...

...é, muitas vezes seria mais fácil seguir o dito "politicamente correto" e fazer exatamente aquilo que esperam de nós. No entanto, isso seria viver uma mentira pra nós mesmos e pra todo mundo também. Assumir as próprias escolhas, assumir-se como se é e enfrentar as consequências que virão (e sempre vêm...), isso sim é parte do caminho de nos encontrarmos dignos e íntegros. Quanto ao teu pai, a vida vive nos pregando essas peças né. Há tantos testes pelos quais temos de passar, tantas dores que temos de sentir. De qualquer forma, é muito tocante ler isso...

abraço do alex......